Monthly Archives: Dezembro 2012

Espiral viciosa

Castro "Nobre" Guedes e Godinho Lopes

Analisemos o percurso de Godinho Lopes e esqueçamos por um instante:

  • A forma como correram as eleições, tanto a campanha como o acto em si e a própria gestão do processo pós-eleitoral;
  • As promessas por cumprir, onde se inclui o seu rarefeito – e eleito – projecto;
  • A adequação ou falta de adequação desse mesmo projecto à situação real do país, dos sócios e simpatizantes sportinguistas, e do próprio clube e empresas dependentes;
  • As opções e filosofias de investimento, estruturação do clube, direcção técnica, comunicação e gestão de expectativas;
  • Os resultados desportivos alcançados, onde se inclui a pior média de vitórias em futebol da história do clube, a pior média de derrotas em futebol da história do clube e o continuar do lento definhar competitivo na maior parte das modalidades do clube com algumas valorosas excepções como o futsal, o ténis de mesa ou o hoquéi em patins;
  • O surgimento de algumas polémicas e menos claras situações de alegados actos de pressão sobre núcleos, sócios e simpatizantes, incluindo o arregimento de claques para que a contestação não suba a níveis incómodos;
  • Os resultados financeiros alcançados, sublinhados pelo relatório do primeiro trimestre da presente temporada da SAD onde, apesar com um aumento de passivo na ordem dos 13,4M€, os resultados líquidos ficaram por -7,7M€ (uma leitura mais cuidada permite até descortinar um abatimento de 7M€ dívida de longo prazo – com juro de 4,99% – através da contracção de dívida em curto prazo no mesmo valor, por livrança – com juro de 7,40% – por certo uma manobra contabilística cheia de vantagens fora da compreensão do sócio ou accionista comum);
  • Que a sustentação financeira da sua gestão, embora facilitada pelo peso que o próprio e os resistentes dirigentes – com Ricciardi e Castro “Nobre” Guedes à cabeça – tenham ainda junto dos credores, seja obtida em nome da instituição mas alegadamente através de garantias pessoais (o que, em cenário de incumprimento, resulta em dívida do clube aos próprios dirigentes, como já visto no caso do passe de Daniel Carriço, o que parece ser uma manobra tirada do manual de Vale e Azevedo);
  • A incapacidade de captação de investimento exterior ao sistema bancário, apesar das sucessivas viagens de charme e publicitação;
  • A aparentemente negligente preparação do processo de inconvertibilidade das VMOC, estabelecida para dia 20 de Janeiro de 2013, quer através do já aprovado projecto de fusão SAD-SPM, quer através de outro tipo de medida que permita salvaguardar o interesse do Clube.

 

Godinho Lopes não demonstra ter capacidade de liderança para, mesmo que não inverter, pelo menos controlar a queda desportiva e financeira do Sporting Clube de Portugal. Apesar de mostrar razoável resistência à pressão e a pele grossa necessárias ao desempenho da função, Godinho Lopes é um homem sem rumo definido. As suas sucessivas ideias para o futebol, a modalidade agregadora e financeiramente potenciadora do universo Sporting, vão se substituindo sem estratégia aparente, à medida que as abordagens antecessoras falham, sem que Godinho Lopes pareça acreditar em nenhuma delas o suficiente para as defender.

Numa espiral viciosa, Godinho Lopes persiste, não reconhecendo que com cada nova redefinição estratégica destrói o pouco capital de esperança que ainda vai granjeando junto dos sócios e adeptos, corrói a disponibilidade e unidade dos plantéis e equipas técnicas, e afunda o Clube e a SAD numa estratégia financeira sem futuro.

Godinho Lopes não demonstra ter o que é necessário para liderar no mundo do desporto, principalmente na situação sensível em que o Clube e a SAD se encontram e tendo em conta as condicionantes muito especiais que o Sporting tem que vencer para conseguir singrar quer desportivamente quer mediaticamente.

Para vencer, o Sporting tem que ser liderado para estar unido, tem que ser competente, e tem que ser capaz de motivar os sportinguistas. Cada vez menos, Godinho Lopes parece capaz de o conseguir.

Não o reconhecendo, Godinho Lopes deixa apenas uma solução para os cada vez mais sócios que o reconhecem: a convocação de uma Assembleia Geral Extraordinária com o objectivo de destituir os órgãos sociais. Os sócios que se revejam nesta solução podem – devem – participar no movimento Dar um Rumo ao Sporting.

Anúncios